terça-feira, 28 de julho de 2009

Recordar é Viver

Hoje passei pelo blog de uma amiga e de facto tem um pequeno post mas que no fundo diz-nos tanto.
Fala-nos de recordações que guardamos sem nos apercebemos.
Toda a gente já passou por algo que nunca esquecerá na vida, seja ele bom ou mau. Se for um que nos traga más recordações, apenas tiramos uma lição que futuramente nos será muito útil, ou talvez não =)
As boas recordações dificilmente nos esquecemos, mas à sempre alguma que nos escapa e temos ela guardada no "fundo do baú". É tão bom quando às vezes um simples gesto nos faz avivar a memória e relembrarmos tudo como se voltássemos a viver esse dia/momento.
Eu por vezes dou por mim a sorrir sozinha porque algo aconteceu naquele momento que me fez lembrar o que tinha guardado no "fundo do baú" cheio de pó!

Já dizia o outro, "e recordar é viver..."!


De ti guardo as memórias do que nunca fomos mas um dia sonhámos que as teríamos guardadas no nosso baú =)

terça-feira, 7 de julho de 2009

Caminhos



Por todo o lado existem pessoas que caminham sós, acompanhadas ou vagueam no meio de uma multidão.
Muitas sentam-se isoladas do mundo, vivem nos seus pensamentos, no seu mundo, que aos olhos dos outros pode ser pequeno e sem vida. Para eles é lá nos seus pensamentos que estão as suas emoções, a felicidade, os sentimentos e muitas outras coisas que os fazem feliz.
Nem sempre estarmos rodeados de pessoas nos sentiamos acompanhados. Precisamos de um espaço/tempo para nós sonharmos e sentirmo-nos nós próprios para nos conhecermos.
Amigos todos nós temos e faz falta a quem acha que não os tem, às vezes precisamos de alguém ao nosso lado, seja para sorrir, chorar ou apenas para estar ali a olhar um para o outro.


O nosso caminho somos nós que o traçamos e esse sim fazemo-lo sozinhos!


*Foto Hélder Rodrigues-Olhares

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Silêncio..


Apetece-me dizer-te imensas coisas, estou quase tentada a ligar-te, enviar uma sms ou ir ao msn!
Sei que não o posso fazer mas apetece-me!!

Terei que ficar em silêncio